domingo, 12 de janeiro de 2014

BABEL ou, A PERDA DAS LETRAS


(...)

De tanto chamares a todos – e qualquer um - de amigo, não terás condição nem discernimento para acolher o amigo, quando ele se manifestar e, assim, não saberás mais quem é o amigo, o colega, o estranho e o transeunte -aquele a quem deves dedicar o afeto e estes, aos quais deves dedicar o direito;

De tanto chamares a todos – e qualquer um – de amor, não saberás quem é o teu amor quando ele acontecer diante dos teus olhos e, destarte, ele passará e, por isso mesmo, não saberás discernir entre o amor e o vento, porque o amor não vem nas nuvens, nem por entre páginas que se perdem, mas da experiência e da morada;

De tanto chamares a todos – e qualquer um – de companheiro, não poderás saber quem é o companheiro e, assim, não poderás desfrutar nem compartilhar teu pão com o companheiro, ao teu lado e à tua mesa, porque nas mãos do companheiro está o pão sem mácula nem vergonha, sem traição nem leviandade;

O amigo e o companheiro são construções cotidianas que impõem, de início, um discernimento morfológico e um cuidado semântico! O amor é a experiência total da liberdade e dos sentidos plenos; é o híbrido movimento e tensão entre um verbo e um substantivo na integridade dos seres. E há o outro e o transeunte e, também, a quem se compra – e se mantém - por qualquer moeda!

Então, volte ao étimo e às experiências minimais. Não procures pelas frases, porque elas são como um lixo espacial, mas, caminhe pelas letras iniciais e transite, assim, com tranqüilidade, para saberes o que são letras escuras e claras – volte ao urro e aos gemidos desérticos das primeiras expressões, porque elas formarão a tua alegria e a tua tristeza.
(...)

© Pietro Nardella Dellova, in “A Palavra Como Construção do Sagrado”, PUCSP, 1998.
* imagem e arte de Marcel Caram

3 comentários:

  1. IMPORTANTE TER DISCERNIMENTO,nem todos são amigos,colegas,companheiros,muito cuidado com o AMOR!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails